::.Amigos & Seguidores.::

sexta-feira, 1 de abril de 2011

@Mundo.Tec



                   @Mundo.Tec (Andrea Vaz)


    #leitura   virtual 
       Real  estudar
   #digitação virtual  
      Real  escrever
      #inclusão  virtual    
       Real  interagir

Maluco é o ser que vive a brincar
Apertando o turn off da realidade
Pegando ondas fantasiosas na web
Vivendo num abismo a fugir da verdade
Sábio é o ser que vive a buscar
Aproximando distâncias num simples teclar
Viajando entre trocas de experiências
Ajudando o desconhecido a se realizar

Chega enfim, a era digital
Afastando de vez, o passado tão normal
Alta tecnologia se funde com o virtual
Testando os limites de uma vida ideal

Neste turbilhão de possibilidades
O importante é não misturar
Bytes curiosos com passos falsos
Bom é ficar atento nas próximas novidades

Por enquanto, é a internet conectando o mundo
E você só esperando na janela.

2 comentários:

Marcus Alencar 2 de abril de 2011 00:48  

``O importante é não misturar
Bytes curiosos com passos falsos``
Acho que esse foi o melhor trecho nessa poesia, talvez por vê-lo como um conselho, sabe, para quem já está há muito aqui navegando pelas ondas da web.
Parabéns pelo blog, vc escreve muito bem.

Gisele De Marie 4 de abril de 2011 14:35  

Concordo com o rapaz aí, discernimento é coisa rara, tanta na vida real quanto na virtual e anda muito necessário nas duas na mistura das duas. Adorei o poema e também gostei muito do final, "a internet conectando o mundo e você só esperando na janela", engraçado este pedaço e lembra que nem sempre o melhor é esperar na janela (virtual ou real), embora por outro lado, as vezes o melhor seja exatamente isso. De novo aqui, há que se ter o discernimento para cada complexa situação.

Related Posts with Thumbnails

:: Frases para Refletir ::

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (Fernando Pessoa)